13 novembro 2013

Hoje.....

Hoje é outro dia.... Mas há dias que lembram outros. Dias passados, diferentes do de hoje, no entando dias iguais, onde tudo lembra a "ontem". Há já muito tempo que não me lembro de sonhar. Não me recordo quando acordo, se sonhei ou não. Parece que todas as noites sonhamos. Embora a maioria das vezes não nos lembremos. Dizem que é o "cérebro a arrumar a casa" ou simplesmente a fazer "uma limpeza" :) Seja como for, esta noite terei sonhado com a minha avó :) Pelo menos assim acho, pois foi nela que pensei logo pela manhã sem razão aparente. Os meus avós maternos são as pessoa por quem, logo a seguir aos meus pais, tenho maior consideração :) Apesar de terem já falecido ambos, guardo-os para sempre num lugar especial do meu coração. Foi tambem graças a eles que tive uma infância tranquila e feliz. Nas férias, enquanto os meus pais ainda trabalhavam era com eles que eu ficava. E que dias maravilhosos!! Iamos cedo de tractor para o campo. E por lá andava eu todo o dia enquanto eles tratavam das culturas, das galinhas, dos patos e coelhos. O almoço era lá mesmo feito. Numa panela preta. Numa fogueira. Na casa velha, como eu lhe chamava. Depois do almoço era hora da sesta. Pelo menos para o meu avô, que já cansado da lavoura e almoçado, dormitava um bocado enquanto eu tentava estar o mais calada possivel :) Apesar de se arreliar nunca se zangava comigo. Diziam os meus primos que eu era a neta preferida :) talvez o fosse... nunca mo disse... mas agora que penso, acho que eles tinham razão. Eu podia pedir o que quisesse. A resposta podia tardar mas era sempre sim!! A minha avó era uma mulher maravilhosa. "Resmungava", como era usual os miudos dizerem, mas estava sempre bem disposta. Sempre a cantarolar... que já dizia a avó dela "quem canta seu mal espanta" e sempre pronta a contar estórias de outros tempos tão distantes para mim :) E que saudades da sopa de feijão seco, do arroz de cabidela, dos bolos de bacalhao acabados de fazer com massa de tomate. Dos fritos de abóbora, feijão, ovo e chouriço. Dos coscorões que ia comprar quando sabia que eu lá ia. Das farinheiras que guardava para mim.... Da marmelada no armário da sala. Das uvas a secar o tecto do quarto. Do arroz doce, das filhóses feitas na noite de natal ao lume.... Que saudades de tempos tão simples e felizes! De certo que estão ambos num lugar muito especial. Para mim estarão eternamente no meu coração.

4 comentários:

João Pereira disse...

Um dia vamos para a parvalheira! tenho lá uma panela preta!

Susana Rodrigues disse...

Que lindo, Mafy!!! Gostei muito e como entendo o que sentes!!! Os avós podem ser pilares muito fortes e nutritivos na nossa vida, não só pelas iguarias que nos preparam, mas pelo amor e o carinho com que nos presenteiam.
Beijinhos.
Susana

Mafy Oliveira disse...

Vamos :) é o meu maior desejo!

Mafy Oliveira disse...

São as pessoas de quem sinto mais falta :)
E agora que já estou em paz com a partida deles já o consigo dizer.
Beijinhos :)